A Terraprojectos Açores...
Na TERRAPROJECTOS AÇORES, desenvolvemos projetos sustentados que procuram
consolidar o potencial açoriano: agroalimentar, rural e turístico.
Serviços que nos comprometemos desenvolver, sempre, com base na partilha de conhecimentos, estratégias e visões.

A TERRAPROJECTOS AÇORES nasce apoiada pelo kow-how da TERRAPROJECTOS – CONSULTORIA, MARKETING E DESIGN AGROALIMENTAR, presente no mercado nacional há já 16 anos.

07 Fev. 2018

“O ESTRANHO CASO DA FRUTA” OU NÃO…

Há dias li um artigo num dos jornais mais conceituado do nosso País, “O Estranho Caso da Fruta”, eram estas as “gordas” que me despertavam a atenção. Partilhei-o. Despertou a atenção de tantos outros, também eles o partilharam e disseminaram pelas redes sociais, revelando-se um dos artigos com maior número de visualizações durante essa semana. Na verdade, partilhei-o na expectativa de evidenciar a falta de conhecimento do(s)verdadeiro(s) motivo(s) pelos quais a fruta nacional tem tanta dificuldade em chegar à mesa do consumidor português, a preços competitivos. Nele podia ler-se sobre a importância de praticar uma alimentação saudável, etc., a riqueza do nosso País ao nível da capacidade de produção hortofrutícola - que é uma realidade, somos uns privilegiados -, mas foram as reflexões sobre o preço e a dificuldade de entendimento sobre o acesso à fruta nacional, que me despertaram a atenção. Podia ler-se sobre as frutas tipicamente portuguesas: “Todos nós já nos deparámos com os preços elevados das frutas (…)”. “Os preços diferenciam muito pouco entre as grandes superfícies comerciais”; “No país da Fruta, quando se assiste a um “ataque” ao açúcar (…) por que motivo a fruta é um luxo e por que motivo não se investe na produção nacional?”.
Muito se tem investido na produção nacional. Os produtores, as empresas, estão cada vez mais modernizados, eficazes, competitivos e internacionais, numa aposta que prima pela qualidade. Na verdade, são vários os condicionalismos que levam a que, quando nos dirigimos ao linear das principais insígnias, nos deparemos, essencialmente, com fruta estrangeira e com fruta portuguesa a preços elevados ou até em calibres inferiores. Todos nós, que estamos no setor, temos as nossas teorias e opiniões sobre os motivos para que tal aconteça. No entanto, há uma condicionante que será comum a todos: a forte pressão exercida pela moderna distribuição, limitando a comercialização de marcas portuguesas, esmagando preços, levando a que os produtores nacionais procurem escoar a sua produção para os mercados internacionais, como alternativa de valor, através de iniciativas como a presença em eventos de relevo como o caso da Fruit Logística Berlim, uma plataforma privilegiada na relação B2B.
Muito se tem investido na produção nacional e a internacionalização, de forma sustentada, será uma boa aposta [aproveito para referir que se encontra a decorrer o período de candidaturas ao SI Internacionalização das PME (PO Lisboa) de 16-01-2018 a 12-03-2018, Aviso 10/SI/2018 - taxa de incentivo até 40% do investimento elegível]. No entanto, há ainda um grande trabalho a desenvolver junto dos consumidores portugueses que, na maior parte das vezes, desconhecem estes condicionalismos. Há que torná-los “parceiros” na exigência da disponibilidade de fruta portuguesa. Há que divulgar e envolver para que “O Estranho Caso da Fruta” deixe de o ser, havendo, sim, uma reflexão e discussão aberta sobre a importância de fazer chegar a fruta nacional, de verdadeira qualidade e sabor, aos nossos consumidores, através de “canais alternativos”, que valorizem as marcas de fruta portuguesas...
 
Gisela Pires - Consultora Marketing & Comunicação
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.